segunda-feira, 7 de agosto de 2017

Do murmúrio do mar


Do murmúrio do mar escutei
Que ele guarda os sonhos das crianças
Bem ali junto às ondas
Onde brincam, riem e correm
Elas constroem seu mundo 
E muitos sonhos ficam ali
Naquele lugar onde a espuma é mais branca
- Isso tudo eu escutei do murmúrio do mar

Na beira do mar deixei muitos sonhos
Segui minha vida sem notar que faltava esse encanto infantil
Mas o mar guarda os sonhos da menina 
E hoje ele devolveu meus sonhos a mim

Bem ali na beira do mar
Reencontrei
O que há muito achei que tinha perdido
A doçura, a leveza, a alegria
A humildade diante do infinito

Na beira do mar me fiz mais potente
Encontrei o que faltava ao meu coração
Sentimentos que o mar, meu amigo, guardava
Até que eu me fizesse menina de novo
Pra esses sentimentos de volta receber

O mar compreende os sentimentos
Porque deles é feito, e não só de água
Ele vibra, se inflama e se acalma
Recebendo a influência dos ventos bravios
Se deixa atrair pela força da lua
Contrai e expande ao sabor das marés
E a criança que é sábia  em sua pureza
Sabe disso e com ele compartilha seu ser
Por isso que o mar guarda seus sonhos
Pra que estejam a salvo quando o adulto crescer
E até que ele volte a ser pura criança
E assim possa seus bons sentimentos colher

(MAVN 06.08.17)

quarta-feira, 17 de dezembro de 2014

The Healing

E como em outras ocasiões que tenho vivido, mais uma vez aprendo que a vida pode ser fácil. Que as soluções existem e podem vir facilmente. Que a vida pode ser boa. Muito boa. Fluida. Leve. Que a felicidade é leve.
Esse ano de 2014 foi o ano de identificar as sombras. E de entendê-las como são: falta de luz. Jogue luz na questão e a sombra some.
Mas a sombra cumpre a função de te mostrar algo. Um referencial que a criou e a manteve até ser eliminado. Por isso também foi um ano para aprender com as sombras e de ser grata a elas. De encarar as sombras como mestres.
E os mestres são necessários enquanto o aprendizado se faz necessário. Mas uma vez concluído o aprendizado, tanto mestres como sombras são dispensáveis.
E é exatamente nesse momento que se abre o espaço para a liberdade.

(Rio, 16/12/14)

domingo, 14 de setembro de 2014

segunda-feira, 26 de agosto de 2013


 

Mergulho no mar

e poro a poro absorvo sua energia mineral.
Brinquedo de boiar.
Acalmo com seus sais
todos os meus ais.
Em paz.

domingo, 28 de abril de 2013


Creio cada vez mais que a felicidade verdadeira persiste, mesmo em meio ao cansaço e a momentos de impaciência. Ela persiste mesmo em meio aos momentos mais avessos pois não é momentânea. Felicidade é um fincar raízes dentro da  gente, e quando isso acontece, nada consegue nos abalar por completo. Claro que vamos sentir frustrações as mais diversas, mas sabemos, porque a felicidade nos contou, que ficaremos bem. A felicidade nos ensina que tudo passa, menos ela. E é ela quem nos ajuda a saber o que é importante na nossa vida. O que nos faz feliz de verdade é importante, o resto é perfumaria. Então, quis vir aqui dizer - sem medo de invejas pois tudo retorna a sua fonte - que mesmo com dores, com Felicianos e Paespalhos, com moralismos que cerceiam e ignorâncias que espantam, que mesmo com o fim do mês pesando no bolso e mesmo ainda com pequenas neuroses persistindo dentro de mim....eu sou feliz. Muito. E cada vez mais, pois enquanto as raízes se aprofundam, a árvore fica cada vez mais frondosa.

terça-feira, 23 de abril de 2013

FILHO



A palavra pulsava dentro de mim.
Amor latente,
e eu buscava formas de preencher esse desejo de te ter nos braços. 
Primeiro tentei não acreditar que te queria, face minha a me mirar, 
a me ensinar, no passar dos dias,
a ser humana e também a Grande Mãe,
protetora e cuidadora,
o alimento e o esteio.

Me enganava ao pensar que mais valia a liberdade, a independência de viver sem germinar. Mas você, fruto meu, me mostrou a verdade, o motivo porque em mim brotam sementes.

Começou a me transformar quando era ainda uma vontade, uma possibilidade que aos poucos cogitei: e pra te receber percebi que precisava me abrir de corpo e alma para o amor.
E esse amor me invadiu por teu intermédio, e me preparou pra te acolher. Me fez ventre, continente, verdadeira mulher.

Hoje você é minha vida, minha alegria,
a palavra doce que canto sem parar, eu,
a Grande Mãe, fêmea nutridora e amparo do meu amor,
no teu amor, meu FILHO.

sábado, 24 de novembro de 2012

OX

Ai!
leva pra longe esse perfume

que ele não me agrada!
Ele cheira a casa cheia de cortinas pesadas
a sala com papéis de parede escuros
decorada com flores de plástico
e retratos de antepassados sérios na parede.

Ai!
leva daqui esse perfume
que ele me deixa triste.
Porque cheira a um quarto
em que uma mulher sofre calada
e passa os dias a esperar 
alimentando memórias.
(ela as rega, como a plantas, só que com lágrimas e beijos saudosos num retrato antigo)

Por favor!
afasta de mim
esse cheiro de tristeza, medo e abandono,
que se me encontra pode me fazer lembrar do tempo em que eu sofria
- e isso não quero mais!

Leva
que em minha casa já não há janelas
nem cortinas, nem flores de plástico
nem quartos de solidão.

Leva
que eu saio todos os dias em busca do sol e da alegria.

É assim que é e como deve ficar.

Por isso te imploro:
leva daqui esse cheiro
que ele não tem nada a ver comigo.